segunda-feira, 27 de junho de 2011

SlutWalk de Lisboa - “o que tu merecias sei eu”!

Eu gostei muito de ter participado na SlutWalk de Lisboa e gostei mais ainda de ver que muita gente aderiu a esta luta pelo fim do machismo! Admito que teve mais sucesso do que aquilo que eu esperava, pois sei que ainda são muitas as resistências aos feminismos e ainda mais ao feminismo dito radical.

Obviamente foram várias as razões que nos levaram à Marcha no sábado. Por mim, não é preciso recuar muito na história para dar alguns exemplos, basta-me recordar 2 ou 3 sentenças muito recentes:

- Psiquiatra absolvido de violação de paciente grávida - Sociedade

2º- Treze meses de prisão, com pena suspensa, homem que desde 1969 batia na mulher

3º - o caso Strauss-Kahn

Nesta fase, alguém acredita que o Strauss-Kahn vai ser condenado e preso? Talvez! A verdade é que nunca se sabe quando é que a Justiça decide mostrar que funciona, dando um exemplo. Mas o simples facto de duvidarmos já significa alguma coisa, não é? Exemplos como os 3 que destaquei mostram bem como é triste e pouco justa a realidade! O comentário do polícia de Toronto foi a gota de água!

Por isso decidi participar.

Obviamente, ao contrário do que um blogueiro afirmou nos postes anteriores, nesta marcha, nós não nos dirigimos somente aos violadores (e por mim falo), porque isso seria utópico. Nós dirigimo-nos a toda a sociedade (homens, mulheres... ): queremos o fim do MACHISMO. Será ainda mais utópico?

Alguns comentários que tenho visto sobre a Slutwalk de Lisboa aqui e ali, fazem-me ver que sim. E desengane-se quem pensar que vêm só de homens. Alguns também vêm de mulheres. Conheço, pelo menos, um exemplo de uma mulher que foi à marcha (organizada por um grupo de pessoas com muito esforço) e tirou várias fotografias para depois as colocar na Internet (sem autorização das pessoas) e se divertir a comentá-las com os/as amigos. Acreditam?!

Como eu já disse aqui, eu prefiro manifestar-me e lutar por aquilo em que acredito de forma pacífica e limpa. Uma das minhas lutas é a igualdade de género, porque acredito que homens e mulheres têm os mesmos direitos e os mesmo deveres e que a sociedade mais igualitária será melhor para todos/as. Que isto chateia alguns homens não é de admirar, mas ver mulheres a chacotear sobre o trabalho das/os outros é, no mínimo, triste!

É caso para dizer “o que tu merecias sei eu”!

6 comentários:

Vizinha de alguém disse...

Eu teria participado se não fosse em Lisboa. Infelizmente o orçamento não chega para tudo.
Esperemos que da próxima vá ainda mais gente. :)

Maria Helena Santos disse...

Vizinha,
não é grave, poderá ir à do Porto.
Assim que tivermos mais informações coloco aqui... e sim, esperemos que tenha ainda mais gente ;o)

Boneca de Trapos disse...

Em princípio participo na do porto. e como por lá ando quase diariamente, a minha voz vai sobretudo (para as violadas, mas também) para os homens asquerosos com idade para serem pais de tantas e tantas raparigas que por lá se sentam a apreciar a nossa passagem, qual desfile involuntário, e, pior, fazem sons animalescos e dizem o que lhes vem à cabeça. Para mim, um comportamento como este, apesar de em proporções incomensuravelmente diferentes, está no mesmo saco da violação. Por isso, a SlutWalk está longe de ser uma marcha unicamente direccionada para a violação, uma vez que a própria violação é indissociável do machismo que a comanda. De resto, muito triste essas mulheres não pensantes.

Maria Helena Santos disse...

Boneca,
Eu nasci no Norte e, por isso, sei bem do que fala! Foi uma das razões que me levou a lutar pela igualdade de género e pelo fim do machismo. A SluWalk procura isso mesmo, o fim do machismo. Eu sei bem que este é um problema simbólico que afecta os homens, mas também as mulheres (caso contrário, o problema já estaria resolvido), mas sempre me fez confusão. Por que será que reivindicar o fim do machismo afecta tanto as mulheres?! Qual é a ameaça? Não entendo. Mas, enfim, é uma luta que temos pela frente e agora que começámos, temos de continuar. Espero que a SlutWalk do Porto tenha ainda mais sucesso! Força - por uma sociedade mais igualitária e mais justa.

Mats disse...

Maria Helena,
A slutwalk é uma perda de tempo porque ninguém está a defender o machismo. Entenda-se por machismo a definição convencionada e não algo arbitrariamente construído para satisfazer a ideologia política do feminismo.

Por que será que reivindicar o fim do machismo afecta tanto as mulheres?!

Talvez porque a maioria das mulheres claramente se aperceba que andar com partes do corpo à mostra em plena cidade não é forma de se lutar contra o "machismo".

Maria Helena Santos disse...

Mats, eu já falei sobre esse assunto logo no início dos comentários ao post sobre a SlutWalk, mas volto a resumir aqui a minha posição. Trata-se de um problema simbólico e, portanto, afecta toda a sociedade: homens, mulheres.... Caso contrário o problema estaria resolvido, já que continuam a ser sobretudo as mulheres que continuam a cuidar das crianças e, portanto, a educá-las. Por isso, é preciso desconstruir a ideologia de género vigente.
Se é verdade que existe um investimento desmesurado de algumas mulheres na imagem e no corpo, influência do mundo sexista em que todas/os vivemos (e é importante chamá-las a atenção para esta questão e ajudá-las a percebê-la... mostrando-lhes como continuam a ser vista como objectos sexuais, nomeadamente pelos média, enquanto que aos homens é mais salientada a inteligência, etc.). Também é verdade que nada justifica a violação (daí a relevância da Marcha SlutWalk).
Sinceramente, acho que seria ingenuidade da nossa parte se considerássemos que este tipo de comportamentos machistas se evita só com uma mudança do vestuário das mulheres, em vez de uma mudança das mentalidades e dos comportamentos!
A mim não me parece que realizar as Marchas SlutWalk (que ocorreram e que continuam a ocorrer em diversas cidades do mundo) seja perda de tempo, assim como também não é o nenhum evento que coloque em causa o sistema vigente. Sabe, assim como raramente uma pessoa admite ser racista, também admite ser sexista, mas todas/os sabemos muito bem, que o sexismo continua aí, por vezes, mais subtil, é certo, mas igualmente perigoso, porque apresentando-se camuflado é mais difícil de detectar!

Já agora, sugiro que leia o seguinte post: http://jugular.blogs.sapo.pt/2741841.html