terça-feira, 12 de julho de 2011

Filme sobre a luta pela igualdade salarial!

Ontem vi um bom filme de Nigel Cole que relata uma história verídica sobre a luta das mulheres pela igualdade salarial num “mundo de homens”.

A trabalhar em condições extremamente precárias, muitas horas seguidas, e preocupadas em conciliar o trabalho com a vida doméstic
a, as 187 mulheres, operárias da fábrica da Ford de Dagenham, perdem finalmente a paciência, em 1968, quando são classificadas como "não qualificadas".

Com humor, bom senso e coragem, Rita O´Grady (a galardoada actriz Sally Hawkins) e as outras mulheres protestaram contra a discriminação sexual e reivindicam a igualdade de direitos relativamente aos salários. Primeiro, viram-se contra os seus patrões, depois viram-se contra a comunidade local e depois contra o próprio governo. Com inteligência e imprevisibilidade, revelam-se à altura de qualquer um dos seus oponentes masculinos. Conscientes da situação de injustiça, ousando resistir contra tudo e todos, estas mulheres conseguem quebrar barreiras e mudar um sistema que ninguém queria admitir que já estivesse ultrapassado.

Esta manifestação foi decisiva para que o Parlamento britânico aprovasse o Projecto de Paridade Salarial, de 1970.

Algumas das ideias centrais são:

- a consciência de que, enquanto houver desigualdade salarial, as mulheres estarão sempre em 2º plano,

- a relevância de haver uma líder que inspire as outras,

- as enormes pressões do poder económico sobre o poder político,

- a persistência das mulheres.

Aqui fica o resumo do filme:


5 comentários:

Anónimo disse...

Ponham um post sobre o caso de violência doméstica que deu hoje (18/7/2011) na SIC no programa "Boa Tarde". Um caso chocante e revoltante!!!

Maria Helena Santos disse...

Anónimo,

Estive ausente durante uma semana e não vi o programa de que fala sobre violência doméstica.
Caso conheça algum site que fale sobre o assunto pode colocá-lo aqui, porque, como diz, é importante chamar à atenção para estes casos chocantes!

Mats disse...

Helena,
Desculpe, mas a Helena acredita mesmo que as mulheres fazem EXACTAMENTE o mesmo trabalho que os homens e recebem menos por isso?

Maria Helena Santos disse...

Eu sei que essa realidade existe. Apesar da evolução, continua a haver discriminação salarial!
Basta que se aplique na prática o que já existe na lei: “Salário Igual para Trabalho Igual”, ou seja, que haja efectivamente igualdade de remuneração para mulheres e homens para trabalho de igual valor.

Aconselho-o a ler este pequeno artigo de Albertina Jordão, que é bastante esclarecedor:
http://barometro.com.pt/archives/315

Mats disse...

Helena,
A ja levou em consideração as horas de trabalho dos homens e as horas de trabalho das mulheres?

É que pelo que tenho visto, os homens, apesar de fazerem os mesmo trabalho que muitas mulheres, fazem muito mais horas que elas.

Mentiras feministas em torno das diferenças salariais