sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

A propósito do chumbo da adopção dos casais gay ou lésbicos!

Julgo que estas duas imagens dizem quase tudo!

8 comentários:

Lucas disse...

A questão não é se "dois pais é melhor do que nenhum" mas sim se pessoas com desvios sexuais são capazes de gerar um ambiente saudável para uma criança.

As evidências dizem que não.

Maria Helena Santos disse...

Quais evidências?

O importante, na minha opinião, é analisar caso a caso, família a família, e não a sua sexualidade.
Ponto.

Aconselho-o a ver este vídeo:
http://www.youtube.com/watch?v=9oxelOqfx7o

Lucas disse...

A sua sexualidade é fundamental visto que eles querem ter os mesmos privilégios que os casais.

Há ampla evidência que demonstra a precariedade dos relacionamentos homossexuais. Se a Helena quiser, eu posso colocar aqui.

Maria Helena Santos disse...

É normal e justo que queiram ter os mesmo privilégios que os casais heterossexuais.
Basta o Art. 13 da constituição para concluirmos isso.

O grande problema sempre é a generalização quando se trata de determinados grupos sociais.
Mas isso já não acontece com o grupo dominante. Diga-me, entre as pessoas heterossexuais não há problemas?

Lucas disse...

Helena,
É normal e justo que queiram ter os mesmo privilégios que os casais heterossexuais. Basta o Art. 13 da constituição para concluirmos isso.

Eles já têm o mesmo previlégio que os demais. Se um homossexual e uma lésbica casarem-se um com o outro, e candidatarem-se a adoptar, a lei permite visto que eles estão a agir de acordo com a definição natural do que é uma família.

A sua orientação sexual será irrelevante.

Diga-me, entre as pessoas heterossexuais não há problemas?

Há. Alguns são causados por feministas que visam destruir a estrutura familiar.

Mas a questão não é "não há problemas entre os casais". A questão é: "Será justo deixar crianças crescer num ambiente estatísticamente mais precário que o normal?"

Se não deixamos crianças com casais toxico-dependentes, porque deixá-los com homossexuais ou lésbicas, defensoras de comportamentos sexuais auto-destrutivos?

Maria Helena Santos disse...

Lucas,
Já viu o vídeo que lhe sugeri, onde a professora Conceição Nogueira, especialista na área, responde a essas questões?

Lucas disse...

Helena,

A Nogueira não refuta o que eu disse. A homossexualidade não pode ter os mesmos privilégios que a heterossexualidade porque a homossexualidade não é igual à heterossexualidade.

Pior ainda, esta ignorante diz que não há diferenças entre crianças que crescem entre homossexuais e crianças que crescem com pais normais.

Isto é uma mentira de todo o tamanho.

Mas eu depois lido com esta mentira descarada.

Os pontos a reter são estes:

1. A heterossexualidade não é igual À homossexualidade.

2. A própria natureza do estilo de vida homossexual torna-a incapaz de ser um bom ambiente para crianças.

3. A sua sexualidade é fundamental para a adopção, mas é irrelevante se eles casarem-se com alguém do sexo oposto.

Se um gay e uma lésbica se casarem um com o outro e forem adoptar uma criança, não há argumento legal para os impedir. Não há descriminação de PESSOAS mas sim do ambiente que constitui uma família: pai e mãe.

A Helena teve pai e mãe. Não acha que outras crianças mereciam ter tambem essa alegria?

Anónimo disse...

Convido a assinar a petição pela legislação da parentalidade por casais do mesmo sexo:

http://www.avaaz.org/po/petition/Legislacao_da_Parentalidade_por_Casais_do_Mesmo_Sexo_em_Portugal/?fMitKbb&pv=9