terça-feira, 27 de setembro de 2011

World Development Report 2012


A igualdade entre homens e mulheres é importante em termos de desenvolvimento!

É o que conclui o World Development Report 2012: Gender Equality and Development

Pode ver toda a informação, em várias línguas, nomeadamente, em português, aqui: World Development Report 2012 - Data & Research - World Bank

17 comentários:

Lucas disse...

Maria Helena Santos,
A igualdade entre homens e mulheres é importante em termos de desenvolvimento!

De que forma é que o homem e a mulher são iguais? De que forma é que XX é igual a XY ?

Maria Helena Santos disse...

Lucas,
Quando falamos de igualdade entre homens e mulheres, estamos a falar de igualdade de oportunidades e de direitos (como, aliás, já está inscrito na Constituição), e não em termos físicos.
Ou seja, o que está em causa não é tornar as pessoas iguais (no sentido de semelhantes, ou não diferentes), mas acabar com a hierarquia que existe entre elas na sociedade.
Embora muito caminho já tenha sido percorrido no sentido da igualdade de género nos últimos anos (ex: as mulheres já podem votar e ser eleitas, etc.), continua a haver desigualdade. Pior, esta desigualdade é assimétrica, ou seja, há uma hierarquia que teima em persistir, sendo as mulheres geralmente dominadas pelos homens. É isso que é preciso combater, porque todas/os temos a ganhar.

Espero ter conseguido esclarece-lo.
Neste caso, a igualdade é sinónimo de desigualdade e não a diferença.

Lucas disse...

MHS,

Quando falamos de igualdade entre homens e mulheres, estamos a falar de igualdade de oportunidades e de direitos (como, aliás, já está inscrito na Constituição), e não em termos físicos.

Mas a noção da igualdade de oportunidades e direitos é baseadas no quê?

Ou seja, o que está em causa não é tornar as pessoas iguais (no sentido de semelhantes, ou não diferentes), mas acabar com a hierarquia que existe entre elas na sociedade.>br>
Se calhar a hierarquia existe porque os homens são biologicamente distintos das mulheres? Por exemplo, num cenário de guerra, é normal e louvável quando os homens se sacrificam pelas mulheres. É esse tipo de hierarquia que a Maria Helena quer mudar?

Embora muito caminho já tenha sido percorrido no sentido da igualdade de género nos últimos anos

Voltamos ao mesmo; porque é que deveria haver "igualdade de géneros" se os géneros não são iguais?
Repare que a Maria Helena aludiu aos géneros.

(ex: as mulheres já podem votar e ser eleitas, etc.), continua a haver desigualdade.

Sim, continua a haver muita desigualdade. Por exemplo, em caso de divórcio é SEMPRE o homem que tem que pagar à mulher, e raramente o reverso. Semelhantemente, em caso de divórcio as mulheres quase sempre ficam com as crianças, mesmo que o pai tenha melhores condições financeiras.

Onde está a igualdade nisto?

Pior, esta desigualdade é assimétrica, ou seja, há uma hierarquia que teima em persistir, sendo as mulheres geralmente dominadas pelos homens.


Existe hierarquia laboral porque os homens em regra investem mais na carreira do que as mulheres. As mulheres, quando começam a ter filhos, voluntariamente escolhem dedicar mais tempo aos filhos.

Além disso, as mulheres preferem ser lideradas por homens do que por outras mulheres. Portanto a hierarquia que existe muitas vezes é 1) funcional e 2) do agrado das mulheres.

É isso que é preciso combater, porque todas/os temos a ganhar.

Não, nós não temos nada a ganhar com a destruição da ordem e da organização da sociedade ocidental só para o agrado duma minoria de mulheres feministas.

A esmagadora maioria das mulheres está perfeitamente satisfeita com a hierarquia existente, e elas ESCOLHEM ficar sob a autoridade dos homens.

Não há uma única sociedade funcional onde haja "igualdade" entre homens e mulheres pelo simples facto de que as mulheres e os homens são distintos (mas complementares).

Enquanto as feministas não se mentalizarem que a biologia determina a hierarquia, elas vão continuar a lutar contra moinhos de vento, e viver uma vida sem propósito.

Stormy disse...

Lucas,


Percebo que queira ferozmente a continuação da ordem patriarcal. Percebo que se enfureça quando nós a denunciamos. Percebo que diga que a biologia determina a hierarquia. Percebo muito bem tudo o que defende que é o status quo da ordem masculina.

Sabe que há homens que defendem a igualdade entre géneros? Sabe que há homens e mulheres que partilham tarefas em casa e que estão ao lado um do outro na vida? Sabe que há mulheres a chefiar? Sabe que nós lutamos e continuaremos a lutar para que os pais do sexo masculino tenham direito, em pé de igualdade com as mães do sexo feminino, de guarda dos filhos? Sabe que muitos homens conquistaram já o direito de exprimirem as suas emoções? Sabe que todas estas formas de viver, pensar, sentir encontram eco a nível mundial?

Por último sabe que a especificidade humana reside na modelação cultural daquilo que é biológico e que daí resultaram a linguagem articulada, a arte, as normas, as convenções? Se não acredita na modelação cultural, então páre de escrever e comece a dar urros, saia do seu trabalho e vá para a selva caçar para os seus filhos e vá com uma pele de animal sobre a pele. E arranque o material com que alguns dos seus dentes foram tratados pelo dentista, uma vez que pelas leis da biologia eses dentes já teria caído? E já agora aconselho-o a que morra pois negando a cultura (em sentido global) nega as vacinas que os seus pais lhe deram quando era pequenino.
PIM
PUM

Lucas disse...

Stormy,

Pode vêr a resposta aqui.

Maria Helena Santos disse...

Lucas,

Até parece que ficou chocado com o que aqui disse.
Julgo que conhece o Artigo 13.º da CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA? Eu estou apenas a pedir que a lei seja posta em prática, mais nada!

Já agora, coloco-o aqui:

PARTE I - Direitos e deveres fundamentais

TÍTULO I - Princípios gerais

Artigo 13.º - (Princípio da igualdade)

1. Todos os cidadãos têm a mesma dignidade social e são iguais perante a lei.

2. Ninguém pode ser privilegiado, beneficiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica ou condição social.


Acabei de ver que colocou a minha foto no seu blog sem a minha permissão. Peço-lhe que a retire pff.

Lucas disse...

Maria Helena,

Eu estou de acordo com essa passagem da Constituição.

A igualdade que as feministas exigem não é a igualdade perante a lei. Essa já existe há muito.

Já retirei as suas fotos do tal blogue.

Maria Helena Santos disse...

Lucas,
O problema é precisamente esse, a igualdade já existe na lei, mas ainda não existe na prática!
É isso que eu peço.
Se está de acordo com essa passagem da Constituição, então, estamos de acordo e afinal o Lucas também é feminista!

Não sei por que razão critica tanto as pessoas feministas, nem por que insiste em falar delas como um grupo homogéneo. Mais uma vez, não devemos generalizar, porque, afinal de contas, são homens e mulheres, de diferentes etnias e com diferentes estatutos, etc., que se limitam a reivindicar um direito - a igualdade.

Lucas disse...

Maria Helena,
O problema é precisamente esse, a igualdade já existe na lei, mas ainda não existe na prática!

A Helena quer dizer que a lei trata as mulheres de forma diferente do homens? Por exemplo, se um homem matar uma mulher, ele recebe uma pena mais leve do que se uma mulher matar um homem?

Se bem me lembro, a Helena estava a falar a hierarquia (e não da lei).

Se está de acordo com essa passagem da Constituição, então, estamos de acordo e afinal o Lucas também é feminista!>br>
Mas essa passagem da Constituição nada diz de hierarquias e patriarcado - que é o grande problema das feministas.

Maria Helena Santos disse...

Lucas,

O que eu lhe disse foi que ainda há uma enorme diferença entre o que está legislado e o que acontece, de facto, na realidade. Em Portugal, a lei tem andado mais à frente dos que as mentalidades, tanto de muitos homens, como de mulheres, infelizmente.
Eu sou pela igualdade, não gosto de discriminações com base no género ou etnia (ou outra categoria), seja face às mulheres, seja face aos homens. Julgo que devemos analisar os casos um a um e não porque é homem ou mulher, agindo de acordo com estereótipos!

Lucas disse...

Helena,

Que tipo de "descriminação"?


Por exemplo, quando o homem é quase que socialmente obrigado a sacrificar a sua vida em favor da mulher, você concorda com essa descriminação?

Maria Helena Santos disse...

Lucas,
Acabei de lhe dizer que não concordo nem com a discriminação face aos homens, nem com a discriminação face às mulheres.
Pelos vistos o Lucas está a falar-me de um caso particular. De que "sacrifício" se trata?

Lucas disse...

Tipo Titanic, onde as mulheres mais pobres tiveram um índice de sobrevivência que os homens mais ricos.

Acha que há "igualdade" quando os homens são socialmente "obrigados" a dar a sua vida pelas mulheres?

Maria Helena Santos disse...

O Lucas está a dar-me exemplos centenários.
Mas, enfim. Não, como já lhe disse, eu não concordo com nenhum tipo de discriminação.
Eu posso dar-lhe um exemplo actual de discriminação que ocorre frequentemente face aos homens. Normalmente, por razões que conhecemos, as/os juízas/es atribuem a guarda das crianças à mãe.
Não concordo!
Acho que é preciso estudar cada caso, e sentenciar com base em factos e não em estereótipos ou papeis de género. Obviamente, também devem ouvir a voz das crianças. Nem todas as mulheres são boas mães e nem todos os homens são bons pais.

Para finalizar, deixe-me que lhe diga que eu não percebo por que razão o Lucas vem sempre para aqui com um discurso de ataque. Eu já aqui disse diversas vezes que, na minha perspectiva, ser feminista não é ser sou contra os homens, é lutar pela igualdade, por uma sociedade mais justa e mais democrática!

Lucas disse...

Helena,
Eu posso dar-lhe um exemplo actual de discriminação que ocorre frequentemente face aos homens. Normalmente, por razões que conhecemos, as/os juízas/es atribuem a guarda das crianças à mãe. Não concordo!

Exacto. Porque é que as feministas não fazem dessa descriminação contra os homens um dos seus estandartes?

Para finalizar, deixe-me que lhe diga que eu não percebo por que razão o Lucas vem sempre para aqui com um discurso de ataque.

Não estou a usar discurso de ataque.

Eu já aqui disse diversas vezes que, na minha perspectiva, ser feminista não é ser sou contra os homens


Então a versão de feminismo que a Helena subscreve é bastante distinta da oficial.

Por exemplo, a Helena concorda com o que este texto mostra?

Maria Helena Santos disse...

Lucas,

Como deve saber, não existe um feminismo. Tem havido sim várias teorias feministas ao longo da história. Por exemplo, o Feminismo Socialista, o Feminismo Liberal, o Feminismo cultura e o Feminismo Radical.
Obviamente, eu não me identifico com todas as teorias. E, respondendo directamente à sua questão, não, não concordo com muito do que aí é dito!

Elmar disse...

"Sabe que há mulheres a chefiar? Sabe que nós lutamos e continuaremos a lutar para que os pais do sexo masculino tenham direito, em pé de igualdade com as mães do sexo feminino, de guarda dos filhos?"


Kkkkkkkkkkkkkkkkkk....Essa foi boa!!!